sábado, 8 de fevereiro de 2014

Cura


E curam a ferida da filha de meu povo levianamente, dizendo: Paz, paz; quando não há paz. Jeremias 8:11
Meu filho  Gabriel (9)esta noite acordou com dor de ouvido.Foi até meu quarto chorando.Deitei-o por alguns minutos do meu lado,fiz um carinho..mas logo minha consciência materna acusou:não adianta querer apenas afagá-lo nem querer apenas que ele pare de gemer e chorar,é preciso resolver o problema da dor.Informei meu marido-de sono um pouco mais pesado- e ele disse:
_Quando o dia amanhecer vou levá-lo ao Pronto Socorro.
um pouco irônica e sem paciência eu disse:
_Claro!A dor é sua?È claro que ele pode esperar o dia amanhecer!
Eles foram então ao P.S. e e meia hora os dois estavam de volta(mesmo porque de madrugada o atendimento,ao menos por aqui é mais rápido-fica a dica),com o Gabriel medicado,o que o fez dormir tranquilo pelo resto da noite e a nós também.
Na verdade,não há nada que me tire mais o sossego do que alguém em minha casa doente.Seja o Alex ,seja o Gabriel,e mesmo eu,pois doente ninguém consegue fazer nada ;e em se tratando do Gabriel a preocupação é ainda maior pois sou diretamente responsável por ele,e em breve será assim também com o bebê que estamos esperando(4 meses agora).
Na tarde de ontem ainda,eu orava sobre todas estas coisas e sobre as dificuldades que temos enfrentado-os três-de voltar a estar na Igreja como antes.Estou em crise com a religião-confesso.Depois de tudo o que passamos:a chamada para assumir a Igreja de Elisiário,o dispensamento 6 meses depois,o fato de ter lidado com uma liderança exigente a cerca de números e pouco interessada nas dificuldades daquela pequena Igreja local me desiludiram,e ao Alex um bom tanto.Agora,retornar a Igreja de Itajobi,não tem sido fácil.Muitas vezes eu me esforço,chego mais cedo do trabalho ou de algum passeio pra me organizar para o culto,me troco,mas não tenho,nem eles o desejo de ir.No último Domingo foi isto o que aconteceu:depois de prontos,um simples problema de atraso no horário foi motivo de desistência,eu fiquei mal por estar perdendo a ceia,por não ter vontade de ir,mas ao mesmo tempo,sabia que não era apenas uma questão com o horário:meu coração ainda não havia superado as ofensas sofridas,eu sei que ainda não superei tudo o que passei,toda a desilusão,e ando meia desacreditada (não de Deus),mas da vida eclesiástica,das manipulações e pressões religiosas.Sem contar que a Palavra já diz'' a esperança adiada adoece a alma''e pra mim,as promessas ministeriais ,ao ir pra Elisiário,estavam começando a se cumprir,por que este novo adiamento?Sim,este adiamento me adoeceu a alma.
Naquela noite de Domingo,e ontem também por volta das 19 hs, eu dobrei os joelhos e comecei minha oração:
''Senhor,não adianta eu fingir que esta tudo bem pois não está.Não adianta dizer que a ferida se fechou rapidamente,pois ainda a sinto doer e Tu És o único que pode curar-me não só de palavras ,mas de dentro pra fora.Como uma queimadura de terceiro gral,fui atingida em camadas profundas na minha fé e confiança.Perdi grande parte da minha inocência,e isto me impede de prosseguir ao menos por enquanto do lugar de onde parei.Ajuda-me.Não abro mão da Sua Presença em minha vida,da minha salvação,de ser tua,não abro mão de todas as tuas promessas que tenho esperado se cumprir desde a minha mocidade,nem de viver segundo a tua Palavra.Quero que me mostres o que queres de mim,o que fazer daqui pra frente,pois não sei viver longe de Ti..''
No Domingo,Alex e eu nos levantamos daquela oração certos de havermos sido totalmente sinceros, pois,é de sinceridade e dependência que devem ser feitas as orações.Alguns dos escritores usados pelo Espírito na Bíblia já fizeram antes assim:
Ai de mim por causa do meu quebrantamento! A minha chaga me causa grande dor; e eu havia dito: Certamente isto é enfermidade que eu poderei suportar. Jeremias 10:19
ao abrimos uma palavra,nos deparamos com a história que falava a respeito de Mardoqueu,que ganhou Hamã como inimigo simplesmente porque não queria se prostrar diante dele como todos faziam,por ser judeu.
Vendo, pois, Hamã que Mardoqueu não se inclinava nem se prostrava diante dele, Hamã se encheu de furor. Ester 3:5
Na minha realidade entendi que se tenho vivido o que tenho vivido hoje,é por ter me negado a me prostrar ao sistema de manipulação interno da Igreja,de desejar trabalhar para o povo e não para os poderosos..e fizemos naquela noite uma ceia em casa mesmo,com pão e vinho,apenas pra reforçar ao Senhor a aliança que com Ele temos.
O post de hoje está um pouco triste,mas é pra falar com franqueza pra quem passa ou passou pelas mesmas coisas e precisa ouvir:a gente vive machucado,aí alguém tenta nos curar com afagos,com palavras,uma e outra vez,mas logo se enfada das nossas dores e reclamações.Eu poderia ter abraçado meu filho e deixá-lo chorando por toda a noite com dor de ouvido,seria hipocrisia minha,um amor hipócrita.Eu poderia dizer pra Deus que não dói mais,para meus pastores e irmãos em Cristo que não dói mais só pra não incomodá-los com minha fraqueza humana e eles ficariam satisfeito com minha cura instantânea e milagrosa,mas a verdade é que dói,é queimadura de terceiro gral,é facada que atingiu veias e artérias.Eu quero curar,mas não direi que estou curada até que de fato esteja.É meu instinto de sobrevivência física e espiritual.
O Senhor sabe que muitos tentam ,como diz o trecho que abre a postagem,curar levianamente a ferida de seu povo.Cura leviana é aquela que não dura,é aquela que parece cura,mas não é de fato.
Israel( o povo de Deus,todos nós) precisa/precisamos ser(mos) curado(s) profundamente,de cada trauma,de cada fraqueza de caráter,de cada passado,de cada decepção,de cada perca involuntária de inocência por ter visto,ouvido ou sido vítima de coisas absurdas e indignas do evangelho apenas por se dispor e agir de boa fé,firmados na Palavra de Deus e Suas promessas.
Que me perdoe o Senhor se estou a dar trabalho com meus gemidos,com minha falta de disposição.Que me perdoe os outros homens,meus pastores,meus irmãos,e até você que me  lê agora pelas verdades não tão bacanas,mas ainda assim,sinceras.
Que fique claro, que em minha vida está bem separado a comunhão com Deus e a religião e que meu maior temor,portanto também o maior cuidado,é o de não me perder Dele.Eu também ainda penso que a religião,o servir e o congregar são muito,muito necessários e estou  aqui,confusa,clamando para que Deus me dê a solução que preciso.Minha sinceridade para com meu delicado momento será quem me levará a cura através da oração,eu creio.
Cura-me, Senhor, e sararei; salva-me, e serei salvo; porque tu és o meu louvor. Jeremias 17:14
*Abraço e paz!



Esta postagem é patrocinada por:
www.chocolateemorango.loja2.com.br

5 comentários:

Maressa disse...

Te garanto que essa experiência vai te servir lá na frente.

Anônimo disse...

A paz do Senhor Jesus minha querida Alessandra!
Estou sem palavras e até entendo sua dor e seu desabafo. Eu acho lindo pessoas sinceras, verdadeiras e tementes a Deus. Lendo esse post só me vem a passagem em Lucas 10:38-42.
Tenho certeza que você escolheu a boa parte e no tempo certo Deus te dará e mostrará o quanto é fiel na vida de vocês.
Oremos sempre uns pelos outros e como costuma falar a esposa do meu pastor: "Agradeça desde já, pois por trás de toda essas lágrimas e dor já avistamos a grande e abençoada vitória".
Fé e força!
Mônica Soares

Vanderleia disse...

Olá querida, a paz do Senhor.Muito lindo e sincero seu post.Com toda certeza lhe digo, o Senhor tem ouvido a sua oração, e o melhor será feito por vcs. Vcs tem o temor do Senhor que é o princípio de toda sabedoria.
Sejam abençoados!

Lipe Augusto disse...

Achei o seu blog muito legal!!
Que Deus abençoe. E continue postando coisas legais.
Siga o nosso blog: http://celuladejovensibna.blogspot.com.br/

Anônimo disse...

Vc é uma mulher de Deus!!! AMO o seu blog...muitas vezes fala ao meu coração! Fique certa de que Deus a curará!

Edificando em todo lugar..

type